A batalha contra o câncer do treinador de basquete inspira todos ao seu redor

  O assistente técnico do Democracy Prep, Mark Coleman, instrui os jogadores antes de um jogo contra o Anchorage C ... O assistente técnico da Democracy Prep, Mark Coleman, instrui os jogadores antes de um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico da Democracy Prep, Mark Coleman, instrui os jogadores antes de um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico da Democracy Prep, Mark Coleman, fala com seus filhos Tru Coleman, à esquerda, e Tai Coleman antes de um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete da escola Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon /Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico da Democracy Prep, Mark Coleman, instrui os jogadores antes de um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico do Democracy Prep, Mark Coleman, à direita, durante um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico do Democracy Prep, Mark Coleman, à direita, durante um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  O assistente técnico do Democracy Prep, Mark Coleman, à direita, durante um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete do colégio Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas na segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto  Assistente técnico da Democracy Prep, Mark Coleman, à direita, durante o intervalo de um jogo contra a Anchorage Christian School durante o torneio de basquete da escola Tarkanian Classic no Faith Lutheran em Las Vegas segunda-feira, 19 de dezembro de 2022. (K.M. Cannon/Las Vegas Review-Journal) @KMCannonPhoto

EU t pode levar três horas para se vestir. Para puxar as meias. Passar um braço por uma manga. Para se preparar para mais um dia de competição contra o derradeiro dos desafios.



O corpo de Mark Coleman está falhando. Ele foi diagnosticado em dezembro de 2021 com câncer de próstata em estágio 4 que metastatizou para o osso.



Mas há outro treino de basquete para assistir. Mais um jogo para ajudar o treinador. Outra oportunidade de ver seus filhos jogarem.



Então ele não vai ficar parado. Ele não vai desistir. Ele vai se vestir, caramba, quanto tempo leva.

Ele chegará na hora. Ele está sempre na hora.



“Eu digo aos caras que, quando vou à academia, realmente sinto uma cura”, disse Coleman. “É a energia deles para mim e de mim para eles. Nada me faz sentir melhor do que estar na composição orgânica de nossa equipe.

“Eu não conseguia andar três dias atrás. Eu tinha pessoas me carregando para o banheiro. Mas agora estou na (academia), andando e me curvando, e isso tudo por causa da energia que recebo quando entro. Estou pronto para ir.

E eles estão prontos para tê-lo.



Ele é para quem eles jogam.

filhos talentosos

É uma manhã de segunda-feira dentro de um ginásio auxiliar na Faith Lutheran High e a Democracy Prep está dando uma surra na Anchorage Christian School do Alasca.

Faz parte do torneio de férias Tarkanian Classic e a final de 74-35 não é tão próxima quanto as coisas realmente eram. Democracy Prep liderava por 52-16 no intervalo. Acabou antes de começar.

1020 Engelszahl

Coleman ocupa seu lugar habitual no banco como assistente do técnico do Democracy, Cory Duke, cujo time 2A recebe na terça-feira o atual campeão estadual The Meadows.

Coleman tem 58 anos e dois meninos jogando pelo Democracy Prep. Tru é um armador júnior de 17 anos e o atual campeão de pontuação 2A e Jogador Defensivo do Ano; Tai é um calouro de 16 anos classificado entre os melhores jogadores do estado para a classe de 2026 e entre os artilheiros desta temporada, independentemente da divisão.

Tru neste dia está cuidando de uma dor no tornozelo que tem seus minutos limitados enquanto o irmão mais novo está dando um show. Retrocesso de 3 ponteiros. Jumper de virada. Backdoor cortado para uma bandeja. Roube no meio da quadra e deslize para uma cesta. Outra pontuação de ruptura. Outro ponteiro de 3.

Tai somaria 31 pontos, quase superando o adversário da equipe.

Foi em setembro que Duke reuniu a equipe e Coleman explicou a situação com seu estado de saúde. Quando acabou, não havia um olho seco na sala.

“Mark é como meu segundo pai”, disse Duke. “Ele é tudo para esta equipe. Sabemos que ele está competindo todos os dias e temos que competir com a mesma energia. Isso é muito maior que o basquete. Você sempre ouve as pessoas na ESPN falarem sobre o poder dos esportes - é por isso que fazemos o que fazemos, porque os esportes são tão incríveis.

“Uma pessoa fazendo as coisas da maneira certa e tratando as pessoas com amor e respeito e estando presente para elas. Esse é o Mark. Ele é aquela constante, sempre focado nos outros. Se você quiser ver como é um homem, olhe para Mark Coleman. Eu amo aquele homem.”

Chicago para Las Vegas

Como eles chegaram aqui: Mark e seus filhos se mudaram de Chicago para Las Vegas há três anos, quando ele conseguiu um emprego como professor de ciências da sétima série na Democracy Prep. Eles visitaram um parente no sul de Nevada durante a pandemia e treinaram aqui por algumas semanas.

Era tudo o que Mark precisava ver.

Uma mensagem espiritual para seus filhos: vamos para o deserto, onde pouco cresce, e regar uns aos outros, onde eles possam construir uma vida e crescer e amadurecer - fisicamente, mentalmente, socialmente, emocionalmente.

Ele é divorciado da mãe dos meninos, Kimberly, que chegou a Las Vegas há seis meses para ajudar com os filhos e com as necessidades de Mark.

“Chicago não parecia o mesmo aos meus olhos”, disse Mark. “Eu sabia que havia algo especial em Las Vegas.”

Sua saúde não permite mais que ele dê aulas, mas não impediu seu amor e desejo de estar ao lado da equipe. Ele é uma influência calmante para Duke. Um mentor em todos os sentidos.

O objetivo é um campeonato estadual e a equipe de Duke tem a capacidade de tornar isso realidade. O mero pensamento de ganhar um título impulsiona Mark. Vestir-se. Estar a tempo.

“A equipe lhe dá encorajamento, força para se levantar de manhã, um senso de liderança, alimentando as crianças, crescimento, orientação”, disse Kimberly. “Isso lhe dá esperança.”

dor indescritível

Quando há metástase para o osso, a dor é indescritível. Pode nivelar o mais forte das pessoas. Ele altera o curso de cada minuto de cada dia. Mark está em um regime diário de três medicamentos, sendo a morfina a âncora.

Mas foi ele quem acordou às 3 da manhã quando jovem, estava em um trem em Chicago às 4 e no treino de basquete às 6. A dureza faz parte de seu DNA. Agora foi passado para seus filhos.

Eles tiveram que crescer muito mais rápido do que a maioria de sua idade, ajudando o pai com suas necessidades diárias e noturnas. O tempo todo sendo estudantes do ensino médio e jogadores talentosos. Eles estão sendo puxados para a idade adulta em um ritmo acelerado.

148 Zahl

“Quando fui diagnosticado pela primeira vez, disse que achava que eles estavam bem e que era a coisa mais egoísta que eu poderia ter feito”, disse Mark. “Eu não reconheci que eles não estavam bem. Eles estão fazendo o melhor que podem olhando para o pai com uma doença crítica, sem apetite e lutando para sair da cama…

“Acho que o crescimento mais significativo deles foi nos últimos dois a três meses, quando eles basicamente tiveram que me colocar em suas costas e me levar aqui e ali e me ajudar a comer e manter minha mente no lugar.”

Seu objetivo: criar as atmosferas mais positivas e inúmeros momentos felizes.

Para seus filhos sorrirem e rirem e terem os melhores dias todos os dias.

Os meninos são tão impressionantes e introspectivos fora da quadra quanto são talentosos nela, e a gravidade da condição de seu pai também não passa despercebida.

Seus pensamentos:

Tai: “Ver o que meu pai passa me motiva a ir mais forte a cada dia. Ele está me ensinando a ser um homem. Ele sabe o que está passando - seu corpo está se voltando contra ele. Mas ele está aqui todos os dias, motivando todos nós a trabalhar duro. Não temos desculpas. Apenas melhore a cada dia para ele. No início a viagem foi estressante, descobrindo que ele tinha câncer. Só tive que lidar com isso, lidar com isso e depois guardá-lo para ajudá-lo.

3. Juli Sternzeichen

Tru: “Se a mentalidade do meu pai não fosse tão forte quanto é, se ele não fosse superduro, não acho que ele duraria. Ele é uma pessoa de caráter forte e sempre fez as coisas funcionarem para nós. Isso afetou muito ele e nós, mas ele ainda está conosco. Temos que olhar para frente e não para trás. Eu amo o meu pai. Não há nada que ele não faria por nós. Ele me deixa orgulhoso de saber o homem que ele é.”

Sobre os outros

Coleman quer que essas histórias sejam contadas sobre a equipe, sobre outras pessoas necessitadas. Ele conta sobre um ex-aluno, um jovem que passou por várias cirurgias cerebrais. Sobre visitá-lo, confortá-lo, sobre ele e os meninos trazendo presentes e trocando convites para jantares de fim de ano.

Ele fala sobre um mantra que a Democracy Prep adotou nesta temporada. Que quando as coisas ficam difíceis, seja ele lutando contra o câncer ou uma derrota dura na quadra ou alguma outra luta - não importa o quão sério ou minuto - há um ditado que eles seguem:

Nós levantamos!

Como em, você e não outros decidem o resultado. Aceite o desafio. Vestir-se. Vá para a academia. Trabalhe suas caudas fora.

Nós levantamos!

E, de repente, as lágrimas começam a brotar nos olhos de Coleman. Ele faz uma pausa.

“Eu não quero que isso seja sobre mim”, disse ele.

“O amor não acontece até que eu tire o foco de mim e coloque nos outros. Quero que isso seja sobre todas as pessoas com quem interajo e que elas sintam que cresceram, aprenderam ou melhoraram em alguma coisa. Que se eu posso competir nisso, não há nada lá fora em que eles não possam competir. Quero que as pessoas sejam cobradas para competir na vida.

“Fiquei com medo no começo porque o diagnóstico é uma grande notícia. Mas agora todos os dias são voltados para torná-lo o melhor dia de todos. Não tenho tempo para ter medo.

“Podemos não ter todos o mesmo diagnóstico, mas todos temos o mesmo destino.”

Ed Graney é um vencedor do Sigma Delta Chi Award por escrever colunas esportivas e pode ser contatado em egraney@reviewjournal.com. Ele pode ser ouvido no “The Press Box”, ESPN Radio 100.9 FM e 1100 AM, das 7h às 10h de segunda a sexta. Seguir @edgraney no Twitter.