Brasil reprime pós-distúrbios e promete proteger a democracia

  Manifestantes, apoiadores do Brasil's former President Jair Bolsonaro, clash with police as they s ... Manifestantes, apoiadores do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro, entram em confronto com a polícia enquanto invadem o Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023. O Planalto é o local de trabalho oficial do presidente do Brasil. (Foto AP/Eraldo Peres)  's former President Jair Bolsonaro, storm the Planalto Palace i ... Manifestantes, apoiadores do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro, invadem o Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023. O Planalto é o local de trabalho oficial do presidente do Brasil. (Foto AP/Eraldo Peres)  's former President Jair Bolsonaro, take selfies as they storm ... Manifestantes, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, tiram selfies enquanto invadem o prédio do Congresso Nacional em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023. (AP Photo/Eraldo Peres)  's former President Jair Bolsonaro, empties a fire extinguisher ... Um manifestante, apoiador do ex-presidente do Brasil Jair Bolsonaro, esvazia um extintor de incêndio depois que manifestantes invadiram o Palácio do Planalto em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023. O Planalto é o local de trabalho oficial do presidente. (Foto AP/Eraldo Peres)  's former President Jair Bolsonaro, storm the the National Cong ... Manifestantes, apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, invadem o prédio do Congresso Nacional em Brasília, Brasil, domingo, 8 de janeiro de 2023. (AP Photo/Eraldo Peres)

RIO DE JANEIRO - As autoridades brasileiras prometeram na segunda-feira proteger a democracia e punir milhares de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, que invadiram e destruíram os mais altos cargos de poder do país em um caos com semelhanças impressionantes com a insurreição de 6 de janeiro de 2021 no Capitólio dos EUA .



Os manifestantes invadiram o Congresso, a Suprema Corte e o palácio presidencial no domingo. Muitos disseram que querem que o exército brasileiro restaure o poder de Bolsonaro, de extrema-direita, e derrube o recém-empossado esquerdista Luiz Inácio Lula da Silva.



A polícia derrubou um acampamento pró-Bolsonaro do lado de fora de um prédio militar na segunda-feira e deteve cerca de 1.200 pessoas, disse a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça à Associated Press.



Lula e os presidentes do Supremo Tribunal Federal, Senado e Câmara dos Deputados também assinaram uma carta na segunda-feira denunciando atos de terrorismo e vandalismo e dizendo que estão tomando medidas legais.

O ministro da Justiça, Flávio Dino, disse a repórteres que a polícia começou a rastrear os pagadores dos ônibus que transportaram os manifestantes para a capital. Na entrevista coletiva no final do domingo, o ministro das Relações Institucionais do Brasil disse que os prédios seriam inspecionados em busca de evidências, incluindo impressões digitais e imagens, e que os manifestantes aparentemente pretendiam provocar distúrbios semelhantes em todo o país.



“Eles não conseguirão destruir a democracia brasileira. Precisamos dizer isso plenamente, com toda firmeza e convicção”, disse Dino. “Não vamos aceitar o caminho da criminalidade para fazer lutas políticas no Brasil.”

Manifestantes vestindo o verde e amarelo da bandeira nacional no domingo quebraram janelas, derrubaram móveis, jogaram computadores e impressoras no chão. Eles abriram buracos em uma enorme pintura de Emiliano Di Cavalcanti no palácio presidencial e destruíram outras obras de arte. Eles derrubaram a mesa em forma de U na qual os juízes da Suprema Corte se reúnem, arrancaram a porta do escritório de um juiz e vandalizaram uma estátua do lado de fora do tribunal. Os interiores dos edifícios monumentais foram deixados em estado de ruína.

As prisões de segunda-feira somaram-se às 300 detidas no domingo em flagrante.



128 Engelszahl

A polícia foi visivelmente lenta para reagir – mesmo após a chegada de mais de 100 ônibus – levando muitos a ponderar se as autoridades simplesmente ignoraram vários avisos, subestimaram a força dos manifestantes ou foram de alguma forma cúmplices.

Os promotores públicos da capital disseram que as forças de segurança locais foram, no mínimo, negligentes. Um juiz da Suprema Corte suspendeu temporariamente o governador regional. Outro juiz culpou as autoridades por não reprimirem rapidamente o crescente neofascismo no Brasil.

Depois de sua derrota eleitoral em 30 de outubro, Bolsonaro, que foi para a Flórida, tem alimentado a crença de seus partidários de que o sistema de votação eletrônica era propenso a fraudes - embora ele nunca tenha apresentado nenhuma evidência. Seu filho, o legislador, Eduardo Bolsonaro, teve várias reuniões com o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, o aliado de longa data de Trump, Steve Bannon, e seu conselheiro sênior de campanha, Jason Miller.

“Canadá, México e Estados Unidos condenam os ataques de 8 de janeiro à democracia brasileira e à transferência pacífica de poder”, disseram o presidente dos EUA, Joe Biden, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, e o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, em comunicado conjunto da Cidade do México na segunda-feira.

Os resultados da eleição do Brasil – os mais próximos em mais de três décadas – foram rapidamente reconhecidos por políticos de todo o espectro, incluindo alguns aliados de Bolsonaro, bem como dezenas de governos. E Bolsonaro surpreendeu quase todo mundo ao sumir de vista. Ele não admitiu a derrota nem clamou enfaticamente pela fraude, embora ele e seu partido tenham apresentado um pedido de anulação de milhões de votos que foi rapidamente rejeitado.

Os brasileiros usam a votação eletrônica desde 1996, que os especialistas em segurança consideram menos segura do que as cédulas de papel marcadas à mão porque não deixam rastros de papel auditáveis. O sistema do Brasil é, no entanto, examinado de perto e as autoridades nacionais e observadores internacionais nunca encontraram evidências de que ele seja explorado para cometer fraudes.

Ainda assim, os apoiadores de Bolsonaro se recusaram a aceitar os resultados. Eles bloquearam estradas e permaneceram acampados do lado de fora de prédios militares, pedindo a intervenção das forças armadas. Dino, o ministro da Justiça, referiu-se aos acampamentos como incubadoras de terrorismo. Os protestos foram predominantemente pacíficos, mas ameaças isoladas – incluindo uma bomba encontrada em um caminhão de combustível a caminho do aeroporto de Brasília – geraram preocupações de segurança.

Dois dias antes da posse de Lula em 1º de janeiro, Bolsonaro voou para os EUA e fixou residência temporária em Orlando. Muitos brasileiros expressaram alívio porque, embora ele tenha se recusado a participar da transição de poder, sua ausência permitiu que ela ocorresse sem incidentes.

Ou assim tinha sido, até o caos de domingo.

“Nosso 8 de janeiro – uma manifestação inédita na política brasileira – é claramente copiado do 6 de janeiro no Capitólio”, disse Paulo Calmon, professor de ciências políticas da Universidade de Brasília. “Os tristes episódios de hoje representam mais uma tentativa de desestabilizar a democracia e demonstram que o radicalismo autoritário e populista da extrema direita brasileira continua ativo sob o comando do ex-presidente Bolsonaro, o ‘Trump da América Latina’.”

Analistas disseram à AP que a revolta poderia render maior apoio político a Lula e sua missão declarada de pacificar o país polarizado, com muitos cidadãos e políticos de direita repelidos pelas cenas de domingo e ansiosos para se distanciar do radicalismo de extrema direita. O líder do próprio partido de Bolsonaro chamou a revolta de “uma vergonha”.

“Isso pode ter sido o começo do fim. O sistema político vai querer isolar esse movimento radical e se afastar dele”, disse Mario Sérgio Lima, analista político da Medley Advisors. “Acho que o que veremos agora é a direita tentando criar novas alternativas e novas lideranças, e o centro se distanciando.”

Em entrevista coletiva do estado de São Paulo, Lula leu um decreto recém-assinado para que o governo federal assuma o controle da segurança no Distrito Federal. Ele disse que os chamados “fanáticos fascistas”, assim como aqueles que financiaram suas atividades, devem ser punidos, e também acusou Bolsonaro de encorajar sua revolta.

Bolsonaro repudiou a acusação do presidente na noite de domingo. Escrevendo no Twitter, ele disse que protestos pacíficos fazem parte da democracia, mas vandalismo e invasão de prédios públicos são “exceções à regra”.

1202 Zahl

Ao contrário do ataque de 2021 nos EUA, poucos funcionários estariam trabalhando nos principais prédios do governo em um domingo. E vídeos mostraram presença limitada da polícia militar da capital.

Um vídeo mostrou um grupo de manifestantes empurrando facilmente uma barricada policial, com apenas alguns policiais usando spray de pimenta. Outra mostrava policiais aguardando enquanto os manifestantes invadiam o Congresso, incluindo um deles usando seu telefone para gravar o que estava acontecendo.

“Foi um erro grosseiro do governo do Distrito Federal”, disse Thiago de Aragão, diretor de estratégia da consultoria política Arko Advice, com sede em Brasília. “Todo mundo sabia que eles (os manifestantes) vinham para Brasília. A expectativa era de que o governo do Distrito Federal montasse uma resposta para proteger a capital. Eles não fizeram nada disso.”

Lula disse em entrevista coletiva que houve “incompetência ou má-fé” dos policiais e prometeu que alguns seriam punidos.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, confirmou no Twitter que havia demitido o chefe da segurança pública da capital, Anderson Torres - horas antes de um ministro do Supremo Tribunal Federal cassar o governador do cargo, alegando 'omissão intencional'.

“Dois anos desde 6 de janeiro, o legado de Trump continua a envenenar nosso hemisfério”, twittou o senador dos EUA Bob Menendez, que preside o comitê de relações exteriores do Senado, acrescentando que culpou Bolsonaro por incitar os atos. “Proteger a democracia e responsabilizar atores malignos é essencial.”

A redatora da AP, Carla Bridi, contribuiu de Salvador.