A guitarrista e empresária Keri Kelli fala rock 'n' roll, cerveja artesanal

Keri KelliKeri Kelli's divide seu tempo profissional entre tocar violão na estrada e vender cerveja artesanal em Las Vegas. Keri Kelli se apresenta com Slash no Anfiteatro Universal de L.A. em 2011. Crédito: Kevin Baldes. Quando não está na estrada com uma das muitas bandas com que toca ao vivo, Keri Kelli divide seu tempo entre Las Vegas e Ocean County, Califórnia. Crédito: Greg Garcia.

Vegas Voices é uma série semanal que destaca os notáveis ​​Las Vegans.

Quando Keri Kelli não está na estrada com Alice Cooper, Slash, Skid Row ou um dos muitos outros artistas que regularmente o recrutam para lidar com tarefas de guitarra na estrada, ele divide seu tempo entre Orange County, Califórnia, e Las Vegas. O primeiro é onde ele cresceu. Este último tem sido sua segunda casa desde que abriu o Aces & Ales em Nellis Boulevard em 2009.



Na época, a cena da cerveja artesanal local era severamente limitada. Mas o Aces teve tanto sucesso que, em 2013, Kelli abriu um segundo local na North Tenaya Way. Agora ele está trabalhando para trazer um brewpub para o complexo comercial The Bend quando ele for inaugurado este ano perto de 215 Beltway e Durango Drive. Faremos o possível para obter as práticas comerciais mais ecológicas possíveis, desde a conservação da água até programas de reciclagem e reutilização, diz ele.



Conversamos com o homem de 47 anos, que brincou dizendo que ele é sempre o cara mais jovem da banda quando está em turnê com artistas que costumam ser mais conhecidos por seus sucessos dos anos 80 ou antes, durante uma pausa na turnê Night Ranger. . Aqui está o que ele tinha a dizer sobre sua vida, rock 'n' roll e cerveja.

Review-Journal: O que foi que o atraiu para o rock 'n' roll?



Keri Kelli: Meus pais gostavam de música quando eu era criança. Meu pai gostava muito dos Stones e de bandas de power blues como Yardbirds e Johnny Winters. Então minha mãe comprou esse disco do Queen, News of the World, e eu pensei: Uau, isso é ótimo! E então ela me levou para ir ver o Queen. Eu tinha apenas 7 anos quando fomos vê-los no fórum, mas fiquei tipo, Uau, isso é ótimo! Então, no ano seguinte, ela me levou para ver o Kiss em Anaheim, e eu fiquei tipo, Uau, isso é muito louco! E eu meio que pensei, quero tentar jogar. Minha avó me deu meu primeiro violão quando eu tinha uns 10 anos.

Como você passou de tocar sua própria música para entrar em outros atos que precisavam de alguém para fazer uma turnê?

Tive minhas primeiras aulas de violão com um guitarrista de fusão de jazz, e ele realmente me incentivou a explorar a forma de tocar guitarra mais real e musical. Eu queria tocar rock, mas ele disse que é preciso aprender as escalas e os modos. Então, quando eu tinha 13 a 16 ou 17 anos, eu praticava literalmente oito horas por dia - eu nem ia à escola em determinado momento. E eu acho que isso realmente estabeleceu a base para ser dedicado e completo, e realmente aprender música. E é isso que acontece quando você é contratado por essas bandas. É preciso tempo e dedicação para aprender as peças corretamente e entrar preparado.



O que o trouxe a Las Vegas para abrir o Aces & Ales?

Orange County, com San Diego, foi realmente um foco de cerveja artesanal. E alguns dos meus amigos abriram lugares que eram cervejarias artesanais lendárias, como Greg Koch da Stone (Brewing). Então, eu gostava de todo o movimento da cerveja artesanal. E eu vim para Vegas para jogar. Então, um de meus outros amigos, Ryan Johnson, disse: Por que não abrimos uma cervejaria artesanal? E foi só porque queríamos ter um lugar para servir a comunidade de Las Vegas com uma boa cerveja artesanal.

Como foi recebido?

Os primeiros seis meses foram muito difíceis. Mas nós apenas continuamos batendo. Estávamos no Facebook, MySpace e tínhamos o site. Então começamos a convidar alguns de meus amigos dessas cervejarias para vir e fazer essas aquisições. E uma noite estávamos com Alice (Cooper) tocando em Vegas, e eu disse, deveríamos fazer uma jam no Aces. E ele disse: Sim, vamos fazer isso amanhã. E o lugar estava lotado. Todas essas pequenas coisas se somam.

O que fez você decidir abrir uma cervejaria?

5. Juni Sternzeichen

Há anos que faço cerveja. Meu primo era, na verdade, o cervejeiro-chefe de um lugar em Orange County chamado Hoparazzi, quase 30 anos atrás, e ele me apresentou a ele. Então as coisas se desenvolveram com Greg (Koch da Stone Brewing) e pessoas assim. E nos últimos 10 anos, eu, pessoalmente, tenho feito cervejas em colaboração com várias empresas diferentes. Bebi cinco cervejas com Greg at Stone. Sierra Nevada, fizemos dois com eles, e Lagunitas. Pelo que fazemos, é o próximo passo natural para nós, e é algo que sempre quisemos fazer. E (The Bend) foi o local definitivo. Estar na indústria de cerveja artesanal realmente significa apoiar a comunidade local, criando empregos e defendendo as organizações locais.

Entre em contato com Al Mancini em Follow @almancinivegas no Twitter.

Conhecendo: Keri Kelli

Atualmente obcecado por?

O design e a arquitetura do novo restaurante e sistema de cerveja!

A mais recente descoberta de Vegas?

930 Engelszahl

Pelo menos é novo para mim: Sen do Japão próximo ao Desert Inn e Durango. The Place tem sushi de qualidade insana.

Último concerto compareceu?

Metallica na T-Mobile Arena. Stone Brewing fez uma cerveja com eles chamada ‘Enter Night’, e teve um evento legal com eles naquela noite.

Destino de férias favorito?

Praga. Roma está em segundo lugar.

Lendo atualmente?

Master Game: Desvendando os Governantes Secretos do Mundo, de Graham Hancock e Robert Bauval

Obra de arte que realmente comoveu você?

Tive a sorte de testemunhar 'A Última Ceia' pessoalmente! É fora de Milão, Itália. É enorme, como o tamanho de uma porta de garagem!