Homem de Reno é preso por ameaças de morte a políticos

 Matthew Carter (xerife do condado de Washoe's Office via AP) Matthew Carter (Escritório do Xerife do Condado de Washoe via AP)

RENO - Um homem de 47 anos de Reno vai passar até 15 anos na prisão por enviando ameaças de morte a meia dúzia de funcionários eleitos de Nevada em mensagens citando falsas teorias da conspiração de que a eleição de 2020 foi roubada.



Matthew Carter foi considerado culpado em setembro de três acusações criminais de conversa agravada e uma acusação de assédio contravencional.



O juiz distrital do condado de Washoe, Egan Walker, o condenou na semana passada a dois a cinco anos por cada crime, a ser servido consecutivamente. Walker também condenou Carter a seis meses pela contravenção, mas disse que pode ser cumprida simultaneamente, ou seja, ao mesmo tempo que as outras sentenças.



O procurador-geral de Nevada, Aaron Ford, disse na segunda-feira que Carter enviou várias mensagens racistas e ameaçadoras ao procurador dos EUA Jason Frierson, ao tesoureiro do estado Zach Conine, a três membros da Assembleia de Nevada e à chefe de gabinete do governador Steve Sisolak, Yvanna Cancela.

Frierson atuou anteriormente como presidente da Assembleia e Cancela atuou anteriormente como senadora estadual. Os outros alvos foram os membros da Assembleia Steve Yeager, Lesley Cohen e Brittney Miller.



Ford disse que as ameaças, que incluem insultos raciais e referências a linchamento, citaram a aprovação da votação por correio expandida antes da eleição como uma razão para sua prometida violência contra as autoridades.

“A discordância política não é uma desculpa para assédio ou ameaça à vida de funcionários eleitos”, disse Ford. “Enquanto eu for procurador-geral, meu escritório processará ações como essa em toda a extensão da lei.”