Papa Francisco tem encontro ‘amigável e informal’ com Fidel Castro

O Papa Francisco é saudado pelo presidente cubano Raúl Castro após chegar ao Aeroporto Internacional José Martí, em Havana. Francisco é o terceiro pontífice a visitar Cuba. (Pool / CNN)O Papa Francisco é saudado pelo presidente cubano Raúl Castro após chegar ao Aeroporto Internacional José Martí, em Havana. Francisco é o terceiro pontífice a visitar Cuba. O Papa Francisco é saudado pelo presidente cubano Raúl Castro após chegar ao Aeroporto Internacional José Martí, em Havana. Francisco é o terceiro pontífice a visitar Cuba. O Papa Francisco é saudado pelo presidente cubano Raúl Castro após chegar ao Aeroporto Internacional José Martí, em Havana. Francisco é o terceiro pontífice a visitar Cuba.

HAVANA, Cuba - O Papa Francisco se encontrou em particular com o ex-presidente cubano Fidel Castro no domingo, um encontro que o Vaticano descreveu como amigável e informal.

O encontro na residência de Fidel em Havana durou cerca de 30 minutos, disse o porta-voz do Vaticano, reverendo Federico Lombardi, com o papa e o líder comunista trocando livros sobre religião. Cerca de 10 membros da família de Fidel estiveram presentes, segundo o Vaticano.



Castro, de 89 anos, raramente faz aparições públicas. Ele e Francis conversaram sobre os problemas comuns da humanidade, incluindo a degradação ambiental, disse Lombardi.



O filho de Castro, Alex, fotografou a reunião.

No início do domingo, o papa celebrou a missa diante de uma multidão de milhares de cubanos, dizendo ao país comunista para servir ao povo, não às idéias.



Existe uma espécie de serviço que realmente serve, pregou o Papa durante a sua homilia, mas devemos ter cuidado para não ser tentados por outro tipo de serviço, um serviço que é egoísta.

Há uma maneira de servir que está interessada em ajudar apenas 'meu povo', continuou Francisco. Este serviço sempre deixa 'seu pessoal' de fora e dá origem a um processo de exclusão.

unterschreiben für den 20. april

Muito antes do amanhecer, multidões no país comunista começaram a chegar para ver o Papa, que subiu ao palco em frente à imagem de Cristo na manhã de domingo. Antes de celebrar a missa, ele passou pela multidão no papamóvel saudando os fiéis.



Três horas antes de sua chegada, a praça já estava lotada com muitos milhares de pessoas. O governo cubano esperava a presença de 100.000 ou mais pessoas. A Cruz Vermelha montou postos para atender às necessidades médicas que podem surgir de exaustão.

Multidões aplaudiram e agitaram bandeiras enquanto o Papa se aproximava. O cardeal Sean O’Malley, arcebispo de Boston, e o cardeal Theodore McCarrick, arcebispo emérito de Washington, estavam sentados perto do Papa Francisco, junto com o cardeal Peter Turkson de Gana. Turkson foi um conselheiro chave na encíclica do Papa sobre o meio ambiente. A presidente argentina Cristina Fernandez de Kirchner e o presidente cubano Raúl Castro também compareceram à missa.

Os cubanos que esperavam pelo Papa na Praça da Revolução de Havana não se lembravam de ter visto uma foto de Jesus Cristo ali. E este tinha estatura imponente, com palavras sob a leitura da imagem, Venha para mim.

931 Zahl

O governo deu à multidão um tratamento raro, disponibilizando sinais de wi-fi. Encorajou os cubanos a enviar mensagens de boas-vindas ao Papa.

O papa se torna político

Mais tarde no domingo, Francisco deve se encontrar com funcionários do governo e, em seguida, encontros com padres e seminaristas locais.

Quando Francisco desembarcou em Cuba no sábado, ele rapidamente pediu à nação comunista que se abrisse ao mundo, enquanto elogiava sua recente restauração dos laços diplomáticos com os Estados Unidos.

Francisco foi recebido por Fidel no aeroporto Internacional José Martí em Havana, onde o Papa pediu a Cuba que concedesse a seu povo a liberdade, os meios e o espaço para praticar sua fé - uma crítica implícita às muitas restrições que o país impõe à religião.

A Igreja Católica já foi parte integrante da história cubana, disse o Papa, inspirando veteranos de sua guerra pela independência e sustentando a esperança que preserva a dignidade das pessoas nas situações mais difíceis.

25.11. Sternzeichen

Em seu breve discurso, Francis também invocou Jose Marti, um herói cubano, para fazer uma crítica velada aos Castros, disse Andrew Chesnut, professor de história latino-americana na Virginia Commonwealth University. Marti, uma figura do tipo George Washington, morreu em 1895 durante a guerra pela independência.

Ele referiu-se especificamente a Marti como um lutador contra as 'dinastias', uma referência, é claro, ao regime de cinco décadas de Castro, disse Chesnut.

Mas um porta-voz do Vaticano, o reverendo Federico Lombardi, disse que o papa não estava necessariamente se referindo aos Castros.

Não acho que tenha sido uma citação escolhida para uma referência específica às situações de hoje, Lombardi disse em uma entrevista coletiva no sábado à noite.

Francisco já criticou Cuba no passado. Em um livro que editou em 1998, ele escreveu que o regime autoritário e corrupto de Cuba deveria ser abandonado em favor de uma democracia representativa.

Francisco é o terceiro papa a visitar Cuba, depois de São João Paulo II em 1998 e Bento XVI em 2012. O apelo de Francisco para que Cuba se abra ao mundo ecoou os comentários de João Paulo 2º, um sinal dos esforços de longa data da Igreja Católica para conquistar espaço em um país que é oficialmente ateu há décadas.

Lombardi disse que o papa acredita que a liberdade religiosa em Cuba significa mais do que a capacidade de adorar livremente. Também implica o direito de abrir escolas e praticar atos de caridade, bem como outras missões.

Castro, que disse que o papa o inspirou a pensar em ingressar na Igreja Católica, elogiou efusivamente Francisco no sábado, especialmente por suas críticas ao consumismo e à degradação ambiental. Ele também agradeceu por seu papel no restabelecimento dos laços entre os Estados Unidos e Cuba, ao mesmo tempo que pediu o fechamento da base militar norte-americana na Baía de Guantánamo.

Welches Sternzeichen ist der 24. Februar?

Na terça-feira, o Papa voará para Washington, um sinal visível da distensão que ajudou a intermediar entre Cuba e os Estados Unidos.

Há alguns meses assistimos a um acontecimento que nos enche de esperança, disse o Papa. O processo de normalização das relações entre dois povos após anos de afastamento.

Francisco também chamou a restauração dos laços diplomáticos um exemplo de reconciliação para o mundo inteiro.

O mundo precisa de reconciliação neste ambiente de 'terceira guerra mundial por etapas' que vivemos.

Alguns conservadores americanos, porém, criticaram a restauração dos laços com o país comunista, dizendo que os Estados Unidos deveriam ter exigido a libertação de dissidentes políticos.

Os irmãos Castro são assassinos em massa, disse o deputado Chris Smith, um republicano de Nova Jersey, à CNN. Eles torturaram e prenderam milhares de dissidentes.

O presidente dos EUA, Barack Obama e Castro falaram por telefone na sexta-feira para discutir o processo de normalização das relações entre os dois países.

Na semana passada, as Nações Unidas anunciaram que Raúl Castro viajaria a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU. Será sua primeira visita aos Estados Unidos em mais de meio século.

Autoridades americanas e cubanas disseram que Obama poderia visitar a ilha comunista no próximo ano, se os dois países progredirem o suficiente nas negociações de normalização.

Na sexta-feira, os departamentos de Tesouro e Comércio anunciaram revisões às sanções existentes contra Cuba, no terceiro conjunto de mudanças regulatórias desde que o presidente anunciou em dezembro que os Estados Unidos restabeleceriam relações diplomáticas com Cuba.