Pregando para (OK, sobre) o coro

Eu canto no coro. Jodi e eu nos conhecemos no coro de uma igreja. Gosto de música coral. Eu gosto do som disso. E eu gosto da ideia disso. Acho que um coro é uma boa maneira de entender a igreja e seu ministério. Um bom coro tem muitas semelhanças com o bom ministério da igreja.

Existem traços que são comuns a bons coros. Primeiro, eles são coros. Um bom coro não é apenas um grupo de pessoas cantando a mesma música ao mesmo tempo. É uma coisa só, e todos que estão no coral contribuem. Cada voz ajuda a fazer o som que vem de um coro.



Mas ser importante não é o mesmo que ser famoso. Alguém aqui pode citar um membro do Coro do Tabernáculo Mórmon? Ou um membro do Coro de Meninos de Viena? Johann Sebastian Bach escreveu centenas de peças de música coral sagrada durante sua vida. Seu nome abrange séculos. Mas o que dizer dos membros do coro da igreja luterana de Bach em Leipzig, que apresentavam novas músicas do grande mestre todas as semanas? O que eles ganharam por seus esforços, além da glória de erguer a voz para a glória de Deus?



Isso é muito, na verdade. E aponta para a segunda característica de um bom coro: ninguém em um coro é tão importante. Como membro do coro, não se trata de você. É sobre o coro. As pessoas não estão ouvindo você - elas estão ouvindo o coro.

Anos atrás, cantei em um grupo coral que não entendia isso. Éramos um grupo de 48 - literalmente. A ideia do diretor de um grande coro era um grupo de cantores treinados que tentavam cantar uns aos outros. Não ouvíamos um ao outro. Competimos um com o outro. Não éramos realmente um coro. Éramos 48 pessoas cantando a mesma música ao mesmo tempo, e é assim que parecíamos.



Uma terceira característica dos bons coros é que eles são maiores do que a soma das vozes individuais neles. Acontece que eu não gosto do som da minha voz individual. Mas quando ouço minha voz no coro, minha voz soa maior e mais completa. É parte de algo que tem ressonância e profundidade. Estou ajudando o coro a produzir um som que minha voz simplesmente não consegue produzir sozinha.

A vida cristã é cheia de talentos sendo usados ​​para a glória de Deus. Em 1 Coríntios 12, o apóstolo Paulo descreve vários dons do Espírito: cura, profecia, falar em línguas, a habilidade de interpretar línguas. Paulo usa a analogia de um corpo para enfatizar o quão conectados todos esses dons estão, e como eles trabalham juntos para fazer algo que funciona de uma forma que suas partes não poderiam individualmente. Para Paulo, todos esses dons são importantes porque a comunidade dos crentes - o corpo - requer todos eles.

Mas então ele diz algo mais. Para Paulo, existe um dom mais importante, e não é um desses. Ouça o início familiar do Capítulo 13, com apenas uma palavra alterada:



'Se eu canto em línguas de anjos, mas não tenho amor, eu me tornei um gongo barulhento ou um címbalo retinindo.'

O presente mais importante é aquele que todos podem oferecer. E é aquele que não requer fanfarra, nenhuma atenção. Na verdade, esse é o ponto. Como a voz de um coro, sem chamar a atenção para si, o dom do amor torna tudo ao seu redor mais pleno e melhor.

Por que cantar? Especialmente, por que cantar na igreja? É um monte de trabalho. É especialmente exigente no Natal e na Páscoa. Ok, sempre temos assento garantido, mesmo durante o serviço de feriado mais lotado. Mas deve haver mais do que isso, certo?

O filme 'Chariots of Fire' conta a história de Eric Liddell, o grande velocista escocês e campeão olímpico de 1924. Ele não era apenas um velocista campeão, no entanto - ele também era um evangelista, e enquanto treinava para as Olimpíadas, ele e sua irmã Jennie também estavam se preparando para ser missionários na China. No filme, a irmã de Eric não compartilha seu sonho olímpico e o acusa de perder de vista seu verdadeiro propósito. Mas ele não concorda, dizendo a ela: 'Jennie, eu acredito que Deus me criou. Mas Ele me fez rápido e, quando corro, sinto Seu prazer. '

Aí está - eu acredito que Deus me criou. Mas Deus me deu uma voz, e quando eu levanto essa voz com outros juntos em adoração, eu sinto o prazer de Deus.

Isso torna os cantores especiais? Não. Mas há algo sobre o canto que chega ao que acredito ser fundamental sobre o ministério. Cantar é para ser ouvido. É uma mensagem que deve ser entregue - e também recebida. Quando a Epístola de Tiago nos diz para 'sermos cumpridores da Palavra e não apenas ouvintes', observe a linguagem. Disseram-nos para ser os dois. Há um tempo para dar - para cantar - e há um tempo para receber - para ouvir. Porque você nunca sabe quando esses momentos de prazer de Deus irão passar por você. Até na escuta.

Pode haver momentos de prazer de Deus em toda a vida da nossa igreja. O estudo da Bíblia que tem um avanço espiritual. A viagem missionária que muda uma vida. Esses são os nossos momentos de doação. Mas pense nos momentos de receber, de ouvir. O sermão que parece ter sido escrito especificamente para você. Ou o momento em que alguém com quem você estava sentado em silêncio de repente aperta sua mão e diz: 'Você não sabe o quanto só você estar aqui significa para mim.'

Isso é o que eu acho que faz a igreja funcionar. Todos nós somos chamados a ser praticantes da Palavra. Todos nós somos chamados para ser professores, construtores, saudadores, cantores - todas as coisas que fazem desta uma comunidade de crentes. E quando respondemos ao nosso chamado particular, acredito que o Espírito - o prazer de Deus - pode invadir nossas vidas.

Mas existe o outro lado. Devemos ser ouvintes da Palavra também. Nós o ouvimos na adoração, na música, nas vozes das crianças, no silêncio das orações. Nós o ouvimos um no outro, mas apenas se estivermos ouvindo. Ouvir uns aos outros e ouvir a Deus.

Não, esses momentos não duram. Eles não deveriam. Assim como Jesus e os discípulos, devemos descer da montanha. Temos trabalho a fazer - aulas para ensinar, reuniões para assistir, canções para cantar. Precisamos estar engajados na obra que abre a presença de Deus para outra pessoa.

Fazedores e ouvintes. Dar e receber. Elevando nossas vozes. Ouvindo. Esta é a igreja. Esta é a comunidade de Deus.

Uma versão desta coluna foi originalmente proferida como um sermão leigo por Scott Tyra, um residente de Las Vegas, onde ele é membro do coro da Igreja Metodista Unida de Desert Springs.